20 de fev de 2017

Funarte disponibiliza livros para download

 por Alessandra de Paula


Teatros do Rio — do século XVIII ao XX, de José Dias, é um dos livros disponíveis on-line   
(foto ao lado)
A Fundação Nacional de Artes (Funarte) disponibiliza suas publicações gratuitamente para download, oferecendo mais uma oportunidade para que o público tenha acesso aos livros lançados pela instituição. A cada ano, é disponibilizado o material publicado no ano anterior, sempre com temas relacionados às áreas de atuação da instituição, como Teatro, Dança, Música, Artes Visuais e Circo. 
De acordo com a gerente de edições da Funarte, Filomena Chiaradia, ter os livros on-line é fundamental. "Em um país gigantesco como o nosso, a distribuição de livros ainda é tímida. Por isso, é importante disponibilizar as edições on-line, dando mais acesso ao público, inclusive aos deficientes visuais, que podem abrir os nossos livros usando os softwares de leitura que eles costumam utilizar para ler outras obras", explica a gerente. 
Entre os títulos disponíveis estão: Cartas de João do Rio a João de Barros e Carlos Malheiro Dias, organizado por Cristiane d'Avila; Teatros do Rio — do século XVIII ao XX, de José Dias; e Políticas Públicas para as Artes – Volumes 1 e 2, de vários autores, entre outros. Confira outros títulos lançados pelas Edições Funarte e disponíveis para download
 
Segundo Filomena, já existem publicações agendadas para 2017. "Lançamos agora em fevereiro os quatro primeiros volumes dos Ensaios Brasileiros Contemporâneos, e vamos publicar os outros cinco ainda este ano. Temos ainda previsão de lançamento de seis volumes da obra teatral de Plínio Marcos, organizados pelo professor de Literatura e crítico Alcir Pécora", adianta a gerente de edições. 
Além do acesso on-line, é possível também comprar os livros, basta enviar e-mail para a Livraria Mário de Andrade (livraria@funarte.gov.br / tel. 2279-8071).

13 de fev de 2017

Gravadora relança discos clássicos da música brasileira em vinil

Por Metro Rio




Ex-Titãs, Gavin é um dos curadores do projeto |
 Mariana Roquette-Pinto/Divulgação
Notoriamente conhecido por ter sido baterista dos Titãs entre 1985 e 2010, Charles Gavin também fez parte do Ira! e do RPM nos anos 1980. Desde 2007, ele apresenta o programa “O Som do Vinil”, no Canal Brasil. Com todas essas credenciais, Gavin é o curador do novo projeto da Sony Music, que está relançando em formato de vinil alguns discos clássicos da música brasileira, como “Ninguém Proíbe o Amor” (1975), de Wilson Simonal, e também trabalhos recentes, como “Pancadélico” (2015), do Jota Quest.

“É interessante pensar que o vinil está voltando a ter um bom número de vendas. O LP é uma mídia tão poderosa e tão bem pensada, que resistiu a essa cultura digital”, comenta Gavin, que dividiu a função de curador com Ed Motta e Maurício Valladares. Juntos, eles fizeram uma seleção de artistas e discos. De início, cada um selecionou 100 títulos até chegar à compilação final.

O projeto faz parte de um processo de reconstrução do catálogo da gravadora, que lida com a queda na procura por CDs. Os relançamentos esperam chamar a atenção de um público que gosta de consumir música por meio do vinil. A experiência também inclui dois discos recentes, para testar o sucesso do formato entre aqueles que já têm o hábito de consumir lançamentos.

“Quem procura ter uma relação mais íntima com a música ou com os trabalhos dos artistas, procura o vinil. Não é só porque é raro, e olha que alguns títulos dessa coleção nunca saíram em CD. Mas o vinil requer um ritual por si só. Se o cara já foi atrás e comprou o vinil, é porque para ele ouvir música é um evento diferente”, analisa Gavin, explicando que a continuidade do projeto depende do sucesso dessa primeira leva.

Os discos já estão à venda nas lojas. Confira nos disquinhos ao lado os comentários de Charles Gavin sobre alguns dos vinis do projeto. Além deles, também serão relançados “Diagonal” (1964), de Johnny Alf, e “Verde que Te Quero Rosa” (1977), de Cartola. Ainda ao lado, informações sobre os três lançamentos recentes que entraram na leva de vinis.

1 – São Paulo – Brasil” - César Mariano & Cia (1977)

“Este é um dos poucos discos da época a dialogar com a música que o jazz rock produziu. Revisitar esse clássico brasileiro em vinil, remasterizado para esta edição, será um deleite.”

2 – “Vida pra Contar” - Djavan (2015)

“Trabalho mais recente de Djavan, ‘Vida Pra Contar’ é o 23o disco da carreira do alagoano, que, no auge de sua maturidade, aos 67 anos, traz 12 faixas inéditas, que não deixam a desejar a antigos sucessos do artista.”

3 – “Gafieira Universal” - Banda Black Rio (1978)

“Segundo Julio Barroso, a Black Rio era a fusão do espírito funk suado do subúrbio com a eletricidade dos corpos bronzeados da zona sul. É uma obra atemporal, e um delicioso convite à dança.”

4 – “Versão Acústica 5” - Emmerson Nogueira (2015)

A quinta edição do projeto de fazer releituras acústicas de clássicos internacionais traz canções do universo pop, de artistas como Michael Jackson e Stevie Wonder, e também do rock, como Queen, U2 e Scorpions.

5 – “O Homem, O Poeta” - Arnoldo Medeiros (1975)

“Este é provavelmente o LP mais valioso da coleção, os poucos exemplares valem peso de ouro. Locomovendo-se pelas fronteiras da MPB e do samba, ‘O Homem, O Poeta’ é um daqueles discos que se torna mais moderno com o tempo.”

6 – “Ninguém Proíbe o Amor” - Wilson Simonal (1975)

“Ouvindo este álbum hoje, por inúmeras vezes, me pergunto: como alguém pode cantar tanto? Será que veremos, mais uma vez, um crooner que interprete como ele? Difícil. Salve Simonal.”

7 – “Jóia Moderna” Alaíde Costa (1961)

“‘Jóia Moderna’ não poderia ser um título mais adequado. Este long play, com os anos, se estabeleceu como um dos grandes álbuns da discografia de Alaíde, uma das grandes intérpretes brasileiras.”

“Pancadélico” Jota Quest (2015)

“Este disco trouxe o Jota Quest de volta à raiz funk do início da banda nos anos 1990. As duas primeiras faixas contam com participação especial do guitarrista Nile Rodgers. Ícone da disco music e guitarrista da banda Chic.”

“Meu Balanço”Waltel Branco (1975) 

“‘Meu Balanço’ é um álbum sofisticado, repleto de texturas, sutilezas e melodias – tem que ser ouvido várias vezes, com calma, atenção e sensibilidade.”

“Geração do Som” - Pepeu Gomes (1978)

“É possível combinar João Gilberto, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo e Jimi Hendrix? Poucos conseguiram harmonizar tão bem o rock com choro, samba, bossa nova, baião e afins quanto Pepeu.”
Captura de Tela 2017-02-12 às 15.35.30

8 de fev de 2017

Vereadora se recusa ler a Bíblia e gera polêmica na Câmara de Araraquara

 por Ana Marin Do G1 São Carlos e Araraquara


Thainara Faria (PT) é católica mas 

não vai ler o livro no início das sessões

Na primeira sessão ordinária do ano, na Câmara Municipal de Araraquara (SP), a vereadora Thainara Faria (PT) causou polêmica ao justificar aos demais vereadores o porquê não participará do “rodízio” para ler um trecho da Bíblia, como determina o regimento interno da casa na abertura dos trabalhos parlamentares.
“E se ao invés de chamarmos o vereador para ler um trecho da Bíblia, a gente chamasse um vereador para vir aqui e encarnar um caboclo e falar a palavra de outras religiões?”, questionou

Estudante de direito, aos 22 anos Thainara  é a mulher mais jovem e a primeira negra a ocupar uma cadeira na Câmara de Araraquara.

Em seu primeiro discurso, ela afirmou que o Brasil é um Estado Laico e, por isso, as entidades governamentais têm de ser neutras em relação às religiões.

“Sou católica praticante, mas não posso doutrinar minha religião aos outros, isso é um erro. Meus princípios e o princípio religioso que sigo tem que ser para ‘Thainara Faria’ pessoa. A vereadora tem que representar o povo. Eu não posso colocar meus interesses particulares e pessoais de religião no ambiente político, isso é um erro”, justificou.

Thainara ainda sugeriu aos outros 17 vereadores a ampliação do leque espiritual, contemplando a leitura de outros livros sagrados, como o evangelho kardecista, o alcorão e até mesmo textos sobre o ateísmo.
“É uma infelicidade que o povo não tenha conhecimento e domínio da lei, mas o legislador, o vereador, o parlamentar, era pra ter o conhecimento da lei e não fazer nada que ferisse a constituição. A gente espera que o parlamentar conheça a constituição, conheça os princípios do nosso país, mas eles não conhecem”, criticou a vereadora.

3 de fev de 2017

COMO VAI VOCE?




Amigos, estou a procura de historias de superação, historias de pessoas que mudaram a vida e que tem uma lição para ser compartilhada. Quem sabe uma historia de amor que lhe deixou marcas e que você superou. Ou alguma situação que você viveu e quer compartilhar com o mundo.

Neste novo programa que estreia na segunda-feira, o Sintonia 98,  temos o quadro COMO VA VOCE? já recebemos algumas historias e as levaremos ao pela super 98 FM de Eunápolis. Não se preocupe não divulgaremos o nome verdadeiro.

Mande sua historia in box ou para o e mail falecomsuper98fm@gmail.com.

2 de fev de 2017

SINTONIA 98


Samba sacode a economia criativa do Brasil

O samba, além de ser uma das expressões mais representativas da nossa cultura, também é um dos grandes motores da economia criativa no Brasil. Só no âmbito do turismo, os viajantes brasileiros movimentaram R$ 6,6 bilhões no período do carnaval de 2015, o que representa 3% do total gerado pelo setor em um ano, de acordo com dados do Ministério do Turismo. A rede hoteleira, bares, restaurantes e prestadores de serviço são os mais beneficiados pelo aumento de turistas nessa época do ano. No Rio de Janeiro, onde acontece um dos famosos desfiles de escolas de samba do país, os números também são grandiosos: foram 1,026 milhão de turistas no carnaval 2016, gerando uma renda de R$ 3 bilhões, segundo dados da Riotur (Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro).
O país ganha muito com a festa do ponto de vista econômico, reforça o economista Francisco Rodrigues. "Os estados e municípios ganham com a venda de produtos. Boa parte dos adereços são importados, mas, quando a indústria paulista e catarinense consegue atender a demanda, esses estados são beneficiados. Do ponto de vista do investimento, no estado de São Paulo, por exemplo, para cada 1 real investido no carnaval, há um retorno de 40 reais, ou seja, quase 3.000% de retorno. No Rio de Janeiro, tudo ganha uma proporção maior, já que o evento atrai mais turistas, muitos deles chegando em navios de cruzeiro [de acordo com dados da Riotur, desembarcaram no Rio no último carnaval 130 mil passageiros de 13 navios]. O que mais se leva em consideração para esses resultados é o pós-carnaval, porque o turista aproveita para conhecer pontos turísticos", explica o economista.

Driblando a crise, sem perder o brilho

Um verdadeiro exército trabalha para colocar as escolas de samba na avenida. São carnavalescos, músicos, costureiras, aderecistas, marceneiros, pintores... tudo para fazer uma das festas mais bonitas do mundo. Wagner Araujo, vice-presidente de finanças da escola de samba Imperatriz Leopoldinense, conta que o carnaval é feito, a princípio, com a verba que recebe de três fontes: direito de imagem, pago pela Rede Globo; venda de ingressos e ajuda da prefeitura. No total, são cerca de R$ 6 milhões. Segundo Araujo, parece muito, mas não é. No atual momento de crise, as escolas têm que usar a criatividade.
"A mão de obra especializada está muito cara e a gente precisa colocar muita gente trabalhando no barracão. São pelo menos 300 funcionários no barracão e mais 1000 pessoas por fora, gente que faz fantasia, bateria... O público não paga barato, precisamos de uma mão de obra artística muito interessante para produzir um carnaval de qualidade. Nós negociamos muito, o que comprar, onde comprar. O carnaval realmente movimenta a economia. Se você multiplicar o número de escolas do grupo especial (12), pela verba que recebem, dá R$ 72 milhões. A maioria das empresas não tem esse giro financeiro", ressalta Araujo.
Almir Reis, diretor financeiro da escola de samba Beija-Flor, conta como a azul e branco faz para continuar brilhando na avenida em tempos de aperto financeiro: "Perdemos o convênio com a Petrobras e a subvenção da prefeitura é muito pequena. Nossos carnavalescos nunca trabalharam tanto na vida para driblar a crise com criatividade. Hoje a gente passa o dia inteiro em Madureira, comprando materiais mais baratos. O número de pessoas trabalhando no barracão diminuiu, as alegorias diminuíram, isso porque o tempo de desfile também ficou menor. As pessoas não têm noção do trabalho, tem gente da comissão do carnaval que não vai para casa, que dorme no barracão. É muito amor mesmo", ressalta Reis.

Blocos de carnaval injetam alegria e dinheiro na cidade

A contratação de mão de obra especializada para a confecção de fantasias carnavalescas é um dos fatores que impulsionam a economia (Foto: Fernando Grilli / Riotur)
Segundo Rita Fernandes, presidente da Sebastiana (Associação Independente dos Blocos da Zona Sul), ainda não existem números formais sobre o impacto econômico dos blocos de carnaval no Rio de Janeiro, mas alguns dados provam que a folia rende bastante.
"Sabemos que existem mais de 500 blocos registrados na prefeitura, que fazem mais de 600 desfiles, já que um bloco sai mais de uma vez. Cada um dos desfiles conta com uma média de 50 a 60 músicos, além de empresas de segurança, agentes de organização de trânsito... Fora a parte técnica, às vezes com shows em palcos ou carros de som, além de instalação de banheiros, confecção de camisetas, gráficas que produzem ventarolas e letras de samba, indústria de bebida... Existe uma movimentação econômica indireta também, pois as pessoas compram fantasias, adereços, que são produzidas por costureiras. No Rio de Janeiro, muitas dessas coisas são vendidas na região do Saara, centro da cidade", diz Rita.
A presidente da Sebastiana ressalta um dado importante quando se fala em economia criativa do carnaval no Rio: o sambódromo, onde acontecem os desfiles, tem capacidade para receber 80 mil pessoas, e o número de pessoas circulando pela cidade no período do carnaval passa de 5 milhões, ou seja, o carnaval de rua tem uma força muito grande na cidade.
"O bloco é de graça. Você pode ir a dez blocos num mesmo dia. Se oferecemos 600 desfiles, o turista está mais na rua. Com isso, tem gente circulando o tempo todo, consumindo comida em restaurantes ou barracas de cachorro quente, churrasco. Aumenta o uso do transporte também, seja público ou particular. O desafio, na verdade, é transformar o carnaval em uma atividade sustentável ao longo do ano, com os agentes culturais que atuam no carnaval. O fluxo é bastante sazonal, apesar de gerar muito volume de pessoas e renda", ressalta.

Rodas de samba movimentam a economia o ano inteiro

Rodas como a do grupo feminino de samba Moça Prosa reúnem até duas mil pessoas, impulsionando o comércio local (Foto: Cris Vicente)
Se os blocos de rua ainda procuram maneiras de continuar atuando fora do carnaval, as rodas de samba já descobriram como fazer da alegria um negócio rentável. O geógrafo e servidor do Instituto Pereira Passos João Grand Jr está escrevendo uma tese de doutorado sobre o papel das rodas de samba como instrumento de desenvolvimento local do Rio. Segundo ele, as rodas de samba acontecem todos os dias, diferente do carnaval, realizado em um período específico.
"Uma roda de samba chega a reunir 2000 pessoas. Se a gente tem 140 rodas, podemos fazer uma estimativa de quanto o samba movimenta o ano inteiro. Muitas pessoas que trabalham com carnaval durante os meses de fevereiro e março, atuam no samba em outras frentes. Na minha tese, eu chamo de sistema econômico samba-carnaval, porque não é só carnaval, vai além. Levo a discussão para o campo da geografia, porque isso só acontece no Rio de Janeiro. Em São Paulo tem desfile, em Minas tem bloco, mas só no Rio existe essa dinâmica de interação. O que fundamenta a ideia de economia criativa são as trocas. As cidades que promovem mais interações são mais criativas", frisa.
Contribuindo com seu conhecimento sobre o tema, Grand Jr participou da criação do Portal da Rede Carioca de Rodas de Samba, plataforma participativa que traça os perfis das rodas de samba, produzindo conteúdo e complementando as estatísticas oficiais.

O samba na indústria fonográfica

Nos áureos tempos das gravadoras de discos, era moda dar de presente no final de ano um LP do Roberto Carlos e outro com sambas-enredo do carnaval. De acordo com Max Pierre, experiente na área fonográfica e atualmente diretor artístico de Zeca Pagodinho, a queda da venda física de discos é muito grande, por conta do aumento da venda digital.
"Zeca Pagodinho lançou agora um novo trabalho com 80 mil cópias, entre DVD e CD, é um número alto. O samba-enredo não toca mais em rádio, talvez as escolas não estejam tão preocupadas em vender. De qualquer forma, a venda de CDs de escolas de samba passou de 200 mil cópias, até dois anos atrás. Alguns discos vendem muito e o samba é líder, mas eu já produzi outros artistas, como Dicró e Agepê, que tinham vendas acima de 1 milhão de cópias. Houve fechamento de lojas, as gravadoras recuaram", explica Pierre.
O produtor musical vislumbra novidades na indústria fonográfica. "Atravessamos um momento de transição, entra a venda física e digital. Alguns dizem que virá um novo formato, que vai causar uma revolução. Acho que o samba continua movimentando a indústria, mesmo que as vendas tenham diminuído. Música ninguém esquece, não deixam de ouvir", completa.
Alessandra de Paula
Assessoria de Comunicação 
Ministério da Cultura

30 de jan de 2017

Fabio Del Porto estreia novo programa de radio

por Super 98 FM

Estreia neste próximo dia 06 de fevereiro o programa Sintonia 98 com a apresentação do jornalista e apresentador Fábio Del Porto. 
O programa tem por objetivo levar ao ouvinte um jeito novo de ouvir radio, com muita diversão, noticias e quadros que prometem emocionar, informar e levar acima de tudo alegria para o publico sem esquecer é claro, dos grandes sucessos da musica. 
Dentre os destaques do programa Sintonia 98 que vai ar a partir das 9h30m da manhã de segunda a sexta-feira, esta o ‘Como vai você?’ quadro em que os ouvintes enviam suas historias de vida, seus dramas ou como saíram de alguma situação e que deixou uma lição que mereça ser compartilhada com o publico, ou mesmo a historia de um grande amor.

O programa terá dicas de saúde, as noticias dos famosos, o que vai acontecer nas novelas e nos filmes que estreiam na nossa região, as curiosidades do mundo da internet, além das principais noticias do Brasil, do mundo e de nossa região, e claro entrevistas com personalidades da nossa sociedade, tudo isso apresentado com o carisma e alegria de Fabio Del Porto.

O Sintonia 98 estreia dia 6 de fevereiro, as 9h30m da manhã, e vai ao ar de segunda a sexta-feira na Super 98 FM , e se você quer participar do quadro COMO VAI VOCE? envie sua história para producaosuper98@gmail.com


O programa vai ao ar na frequência de  98,5 para a Costa do Descobrimento, Sul da Bahia e também pelo  aplicativo oficial da Super 98,5Fm,  para toda rede de internet, em qualquer parte do mundo. Click aqui



27 de jan de 2017

O poder curativo da erva de São Caetano

Os 10 Melhores programas de humor da TV brasileira de todos os tempos

por lista10.org

Superando todos os recordes das listas interativas anteriores, a escolha dos dez melhores programas de humor do Brasil, registrou a marca de 77.165 votos válidos. Confira o Top 10 dos vencedores a seguir:
.Custe o Que Custar (CQC)
Estreia: 17 de março de 2008
Término: continua no ar
Canal: Band
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 7.013
   
.Pânico na TV
Estreia: 28 de setembro de 2003
Término: continua no ar
Canal: Rede TV
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 6.109
   
.Os Normais
Estreia: 1º de Junho de 2001
Término: Outubro de 2003
Canal: Rede Globo
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 4.535
   
.Sai de Baixo
Estreia: 31 de março de 1996
Término: 31 de março de 2002
Canal: Rede Globo
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 4.424
   
.Hermes e Renato
Estreia: 1999
Término: 2009
Canal: MTV
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 3.566
   
.Os Trapalhões
Estreia: 1966
Término: 1995
Canal: Excelsior, Record, Tupi e Rede Globo
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 3.460
   
.15 Minutos
Estreia: 10 de março de 2008
Término: continua no ar
Canal: MTV
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 3.363
   
.A Grande Família
Estreia: 29 de março de 2001
Término: continua no ar
Canal: Rede Globo
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 3.339
   
.É Tudo Improviso
Estreia: 11 de Janeiro de 2010
Término: continua no ar
Canal: Band
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 3.111
   
.Escolinha do Professor Raimundo
Estreia: 4 de Agosto de 1990
Término: 28 de maio de 1995
Canal: Rede Globo
[Vídeos]
[Site Oficial] Total de votos: 2.633
Total de votos: 77.165